sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

MUDOU: Covid transfere Mundiais para 2023 e 2024

 

E a COVID muda de novo o calendário da natação mundial. Em reunião virtual nesta sexta-feira, a FINA (Federação Internacional de Natação) optou, devido à nova variante Omicron e às restrições de viagens internacionais, por adiar o Mundial de Esportes Aquáticos de Fukuoka (JAP) e o de Doha (QAT).

O Mundial que aconteceria em Maio deste ano ficou para Julho de 2023, e o de Doha vai acontecer pela primeira vez em ano Olímpico, indo para 2024, mais especialmente Janeiro. 

Entretanto, os de Kazan (RUS), quais sejam, o Mundial Júnior e o de Piscina Curta, seguem, respectivamente, em Agosto e Dezembro. Não há ainda atualização no site da FINA, o que pode acontecer nos próximos dias.

Com isso, o Troféu Brasil, que seria a única seletiva do evento, em Abril, no Rio, seriamente foi danificado, mas não o Troféu José Finkel, em Recife, no mês de Setembro. A ver o que o futuro reserva.

(informações do Best Swimming e Swim Channel)

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

TÁ DECIDIDO: Stephanie Balduccini vai pra Michigan em 2023


Atravessando uma grande fase na sua carreira, Stephanie Balduccini (Paineiras) tem sido o grande nome da natação feminina desta geração. E, como sempre comparo, assim como os jogadores de futebol que brilham muito vão logo para a Europa, assim acontece com os nadadores, mas troca-se Europa por EUA. E, após uma viagem para os EUA para pesquisar qual seria seu futuro a partir de 2023, quando completa 19 anos, ela optou por ser nadar e estudar na Universidade de Michigan.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2022

MERCADO DAS ÁGUAS: 2022 começa com fortes mudanças

 


2022 começou para valer. E o Mercado das Águas, como todos os anos, está mais quente do que nunca, trazendo novidades e surpresas para a natação nacional. Muitas trocas de times foram anunciadas nestes primeiros dias, e algumas até surpreendentes.


A primeira saída anunciada foi a de Lorrane Ferreira do Pinheiros, rumo ao SESI, para treinar com Fernando Vanzella. "Em 2018 sair de casa e vir pra São Paulo parecia um desafio e tanto e realmente foi, eu amadureci muito, alcancei vários objetivos e conheci pessoas e profissionais incríveis que me ajudaram nesta caminhada! Foram 4 anos de muita velocidade, força, dedicação e comprometimento no Esporte Clube Pinheiros! Foi um prazer representar essas cores!", escreveu Lorrane em rede social. Outro que saiu do clube foi Guilherme Bassetto, após 9 anos, para ser parte da Unisanta.

Outra saída foi a de Beatriz Dizotti, do Minas. Ela deixou três anos no clube mineiro - com direito à uma Olimpíada, os Jogos Tóquio 2020+1, também para fazer parte da Unisanta. "Conexões como as que eu fiz nesse clube, são dificilmente quebradas. Nunca vou esquecer tudo que fizeram por mim e pelo meu sonho, serei eternamente grata!", disse Dizotti, que agora passa a treinar no Rio de Janeiro, com Fernando Possenti.

Aliás, Nathália Almeida (foto) também mudou de ares. Após dez anos no Flamengo, passando por todas as fases e conseguindo a tão sonhada vaga olímpica, ela agora é parte, também, da Unisanta. "10 anos de relação com meu clube de coração. 10 anos que você me viu crescendo como pessoa, como atleta e literalmente ficando mais velha com o passar dos anos. Não sei como dizer o quanto eu sou grata por tudo que a gente viveu, mas posso dizer que isso é um até logo!! Afinal, uma vez Flamengo...", disse Naná, que segue morando e treinando no Rio e treinando com o time Possenti, ao lado da sempre parceira Gabrielle Roncatto, que segue no rubro-negro.

E após anos morando em Michigan, Luiz Gustavo Borges voltou a morar no Brasil, mas agora defendendo o Minas. Ele deixou o Pinheiros para treinar junto com Sérgio Marques, seguindo o planejamento que levou Fernando Scheffer ao bronze olímpico. Outra saída anunciada foi a de Daynara de Paula do SESI, após nove anos. "Foram 9 anos de aprendizado, felicidades, choros, amor , tristeza… De momentos marcantes, que fazem parte de mim. Porém chega uma hora que é precisos mudar, sair da zona de conforto, conhecer e viver experiências novas e o mais importante conquistar meus sonhos". Até agora ela não anunciou o novo destino.

Também deixou o Minas Maria Paula Heitmann, que defendia as cores azul e branca desde 2012. "Uma década! São muitas histórias dentro da família minastenista, muitas pessoas especiais e incontáveis momentos que vivi dentro do time. Um Clube que sempre me acolheu e me proporcionou muitas oportunidades. Foi uma alegria representar o Minas por todo esse tempo! Deixo meu carinho ao Clube que tem um lugar único guardado junto comigo", disse Heitmann. É importante lembrar que, em meio a esse tempo, ela morou nos Estados Unidos onde defendeu a Universidade de Indiana em competições da NCAA. Em breve, também saberemos seu novo clube.

E se o Minas perdeu Heitmann, ganhou Sofia Rondel. Revelada pelo São José, Sofia defendera o Corinthians desde 2015 e agora fará parte do time azul de BH. "Sou eternamente grata ao clube por tudo que me proporcionou nesses últimos anos, todos os altos e baixos que só me fizeram mais forte sempre, saio do clube com um aperto no coração porque foi uma família que eu encontrei e que sei que vou levar para o resto da vida", disse Rondel ao se despedir do Timão em rede social. Outra novidade do Minas é Letícia Romão. Vinda do Joinville, onde fez grandes jornadas nós Brasileiros de Categoria, ela se junta a equipe azul de BH, assim como Luiza Lima. Egressa do Fluminense e do Marina Barra Clube, a filha de Milene Comini e Luiz Lima vai estrear nos juniores defendendo o time minastenista.

Já Kayky Mota, que está nos EUA dependendo a Universidade do Tennessee, também trocará de clube no Brasil: deixou o Corinthians para ir ao Pinheiros. O movimento inverso fez Iago Moussalém, que trocou o Jardim Europa pelo Parque São Jorge, para onde volta após grande carreira no Júnior. Ele ainda está nos EUA, mas vai defender o time profissional da Georgia Tech, ao lado de Caio Pumputis e do coach Francisco Rego.

O Corinthians ganhou, mas também perdeu. Após três anos, Betina Lorscheitter anunciou em rede social sua saída do Timão. "Foram 3 anos de muito trabalho, profissionalismo e comprometimento. Onde eu alcancei excelentes resultados e evolui como atleta. Obrigada Corinthians! Sigo o meu caminho em busca da evolução contínua e acreditando que ainda posso muito mais!", disse Betina que, na sua passagem pelo Parque São Jorge, conseguiu índice olímpico na Seletiva, mas existiam Viviane Jungblut (que segue no GNU) e Beatriz Dizotti...

Ainda falando de voltas para casa, Guilherme Cachorrão Costa, após três anos, despediu-se do Minas para voltar à Unisanta, muito embora ainda treinando no Rio. "Foram três anos de parceria, aprendizado e muitas conquistas, individuais e por equipes, com a camisa minastenista. Agradeço à direção e à comissão técnica. É muito bom voltar para o time que me abriu as portas lá no início da minha carreira", disse em posts. Foi por lá que ele bateu seu primeiro recorde sul-americano dos 1500 livre, em 1º de Abril de 2017, e o resto passou a ser história.

Este post segue sendo atualizado quando novas mudanças na natação brasileira acontecerem.

(informações do Swim Channel, Olhar Olímpico, Best Swimming e RSP Sports, além dos Instagram dos atletas citados - foto da RSP Sports - atualizado dia 20/01 às 14:20)

quinta-feira, 23 de dezembro de 2021

2022: ano novo, tudo novo!

Está findando-se o ano de 2021. Não tive tempo hábil para atualizar o site durante este ano, devido ao alto nível de trabalho profissional a qual este repórter teve, não só no ganha-pão, quanto na natação. Neste ano, o sonho de ser locutor de uma competição foi realizado, em cinco competições, em Santos, Praia Grande e Itanhaém.

Mas tirando isso, a pandemia também atrapalhou muito. Não pude viajar para cobrir natação em nenhum lugar, infelizmente. E a Omicron chegou com tudo para atrapalhar todos os planos. Mas isso não impediu que houvéssemos grandes competições.

Acabou recentemente o Mundial de Piscina Curta, em Abu Dhabi, onde o vovô garoto Nicholas dos Santos (Unisanta) mais uma vez mostrou que está na melhor fase de sua vida, aos 41 anos, ganhando os 50 borboleta. Além disso, João Luiz Gomes Júnior (Pinheiros) conseguiu um sensacional bronze nos 50 peito, o primeiro individual em piscina curta. E o que dizer de Ana Marcela Cunha (Unisanta), novamente a melhor do mundo nas águas abertas?? Aliás, ela continua defendendo o Santa, mesmo treinando no Rio com Fernando Possenti. E a nova geração? Guilherme Caribé (CEPE) e Stephanie Balduccini (Paineiras) tem tudo para ser grandes nomes no próximo ano.

Infelizmente, as luzes da piscina se apagaram para muitas feras das águas, entre eles Miguel Leite Valente (Minas), Ítalo Manzine (UNAERP), Gabriela Mello (Paineiras), Hannah Miley (GBR), Femke Heemskerk (HOL) e Franziska Hentke (ALE), por aposentadoria, e para o saltador Ian Matos, por Deus ter chamado mais cedo.

E 2022 está se aproximando. O FamilAquatica vai mudar seu formato: deixaremos para fazer matérias mais aprofundadas nas coberturas in loco. Afora isto, vamos fazer mais análises das jornadas que acontecerem na natação brasileira e mundial. Esperamos mais atualizações no nosso site.

Dito isso, desejo a todos um Natal abençoado e um ano novo cheio de muitas conquistas para todos nós!

(editorial de Flávio Barbosa)

quarta-feira, 8 de dezembro de 2021

BRASILEIRO JÚNIOR E SÊNIOR: Mal começou, já teve recorde!

 


Não poderia começar melhor o CAMPEONATO BRASILEIRO JÚNIOR E SENIOR DE VERÃO, que estão acontecendo na piscina do Flamengo, no Rio de Janeiro. O certame vai até sábado e reúne a elite da natação nacional, sendo para alguns última parada antes do MUNDIAL DE PISCINA CURTA de Abu Dhabi.

Nesta terça-feira, abrindo a competição, foram disputadas as provas de fundo e nos 800 livre feminino, brilhou novamente a estrela de Viviane Jungblut (GNU). Ela venceu a prova que valia pelo Troféu Daltely Guimarães com seu melhor tempo ever: 8:29.30, por tabela o novo recorde brasileiro da prova, superando os 8:32.96 de Joanna Maranhão do Open de 2009, no Pinheiros. Sim, senhoras e senhores, foi ao chão um recorde do tempo dos trajes. E mais: Viviane é agora a quarta nadadora da América do Sul a baixar de 8:30 nesta prova, após Kristel Kobrich (CHI), Andreína Pinto (VEN) e a atual recordista continental - com 8:24.33 - Delfina Pignatiello (ARG).

“Vim para o Brasileiro como preparação para o Mundial, tanto para a Maratona, como para as provas de piscina. Venho batendo na trave nesse 800 há algum tempo e hoje consegui bater esse recorde. É importante e me dá confiança para o que está por vir”, disse a gaúcha a João Paulo de Castro. Gabrielle Roncatto (Flamengo), com 8:49.98, e Betina Lorscheitter (Corinthians), com 8:56.98, completaram o pódio.

E não foi só isso, já diria o Casseta e Planeta: tivemos Recorde Brasileiro Júnior nos 1500 livre. E com quem mais, senão o holandês voador Stephan Steverink (Flamengo)? Uma incrível melhora, como disse Alexandre Pussieldi: diz 15:26.77 (do Brasileiro Juvenil) para 15:14.91! O tempo, novo recorde do Troféu Júlio de Lamare na prova, superou o 15:22.46 que fizera Brandonn Pierry Almeida (então no Corinthians, hoje no SESI), em 2014. Aqui estão os demais resultados, incluídos os revezamentos 4 x 100 medley misto

Nesta quarta, haverá a abertura oficial e as provas de 50 livre, 200 peito, 100 costas e 200 livre, e transmissão da TV CBDA. Aguardemos para que a chuva não atrapalhe.

(informações do Best Swimming, Swim Channel e CBDA - foto de Ricardo Sodré/SSPress/CBDA)