quinta-feira, 3 de agosto de 2017

TROFÉU JOSÉ FINKEL: Assim tudo começou...


Era uma vez um nadador paranaense que era apontado por muitos como o grande nome do nado peito para a década de 1970. Filho caçula de Búnia, uma polonesa judia que tinha se mudado para Curitiba durante a Segunda Guerra Mundial para evitar ser uma das vítimas do terrível holocausto de Hitler, o garoto era divertido, engraçado e nadava muito. Mas, um belo dia, durante uma competição no Grêmio Náutico União, em Porto Alegre, ele começou a se sentir mal. De uma maneira incomum. Ao voltar a Curitiba, o diagnóstico foi um choque: um raro câncer nos vasos linfáticos. Incurável. E assim, em Dezembro de 1971, aos 17 anos, o garoto engraçado e divertido do Clube Israelita partia para a eternidade. Cedo demais. O nome do garoto? José Finkel.
A tristeza tomou conta dos seus companheiros de Israelita. O time nem teve mais condições de seguir para as competições nacionais e estaduais. Até hoje muitos se emocionam. Aí, os amigos tiveram uma ideia: um torneio de homenagem, reunindo clubes nacionais e com aval da então CBD. Berek Krieger, então presidente do clube, levou a ideia adiante, e com a benção de Rubem Dinard, então diretor de natação da entidade, e de João Havelange, presidente da CBD, nascia o TROFÉU JOSÉ FINKEL. Que começou oficialmente no dia 1º de Julho de 1972, com grande festa, no clube que viu o garoto crescer, e que perdeu-o tão precocemente. Para se ter uma ideia, clarins da banda da Polícia Militar do Paraná anunciavam a premiação. O Botafogo, melhor time da época, foi o vitorioso. Mas a natação, sem dúvida, saiu mais fortalecida. O Diário do Paraná anunciava que depois de tal evento, "aumentou consideravelmente o número de jovens interessados em praticar esse salutar esporte". 
O que não se imaginava era que aquele torneio que seria uma homenagem a um jovem nadador que poderia ser um dos melhores do país se tornou o Brasileiro Absoluto de Inverno, com grandes momentos, como o Recorde Mundial dos 100 livre em piscina curta de Gustavo Borges, em 1993. Teve um que não chegou ao final por suspeita de meningite: foi o de 1989. Mas afora isso, o Finkel sempre tem momentos emocionantes e grandes histórias.



VAI COMEÇAR DE NOVO
E aí chegamos ao deste ano. Pelo segundo ano seguido em Santos, pela décima quarta vez no total. Pela segunda vez na Universidade Santa Cecília, que sediara o evento em 2003. Aliás, a Unisanta tornou-se a primeira universidade a sediar um evento nacional de natação, entre 24 e 28 de Setembro daquele ano. O torneio reuniu feras que haviam mandado bem no Pan de Santo Domingo, meses antes, como Flávia Delaroli, Mariana Brochado, Fernando Xuxa Scherer, José Meolans (ARG), Rogério Romero, Thiago Pereira, Rodrigo Castro, Eduardo Fischer e Marcelo Tomazini. Alguns que lá estiveram vão voltar ao Santa a partir de terça: Joanna Maranhão (então no Nikita, hoje no Unisanta), Guilherme Guido (Pinheiros), Daiene Dias (então no CIBES, hoje na Unisanta) e Nicholas dos Santos (Unisanta) são alguns deles.
Agora, 14 anos depois, o Finkel volta a Santos como outra "ressaca": a do MUNDIAL DE ESPORTES AQUÁTICOS de Budapeste. O Brasil fez uma campanha maravilhosa e não haverá melhor lugar para celebrar do que na Santa Água (sim, Santos tem a Piscina Mágica do Internacional que abraçou a competição ano passado e a Santa Água da Unisanta). Afinal, quase todos os medalhistas de tal Mundial lá estarão. Só Ana Marcela Cunha (Unisanta) não marcará presença por treinar e competir no Canadá, visto que no próximo sábado (sem ser o desta semana) ela estará na etapa de Lac Megantic da COPA DO MUNDO FINA DE MARATONA AQUÁTICA. Mas Etiene Medeiros (SESI), Cesar Cielo (Pinheiros), Bruno Fratus (Internacional/Auburn), Marcelo Chierighini (Pinheiros), Gabriel Silva Santos (Pinheiros), João Luiz Gomes Júnior (Pinheiros), Guilherme Costa (Unisanta), Henrique Martins (Minas), Brandonn Pierry Almeida (Corinthians/South Carolina), Manu Lyrio (Pinheiros) e Nicholas lá estarão, para celebrar este grande momento. Mas também tem as feras do Santa, do Pinheiros, do Minas, do GNU, da Argentina e do México para dar brilho ao torneio. Os nomes são fortes: Poliana Okimoto (Unisanta), Gabrielle Roncatto (Unisanta), Larissa Martins Oliveira (Pinheiros), Luiz Altamir (Pinheiros), Nathália Almeida (Flamengo), Graciele Hermann (GNU), Matheus Santana (Unisanta/SwimMac), Italo Manzine Duarte (Minas), Julia Sebastian (Unisanta), Henrique Rodrigues (SESI), Alessandra Marchioro (Unisanta), Jhennifer Alves (Pinheiros), Florencia Perotti (Pinheiros), Daynara de Paula (SESI)... Sério, são tantos que não cabem nesta matéria e peço desculpas se esqueci alguns.
O que importa é que a jornada começa na próxima terça, dia 8, e vai até o sábado, dia 12, com eliminatórias pela manhã e finais à noite. Os horários foram modificados porque o SporTV, depois de duas temporadas ausente, vai transmitir o evento na íntegra, o que é sensacional, já que vale a pena ver sempre natação pela TV. A programação é a mesma do TROFÉU MARIA LENK, com provas empolgantes e, novidade, premiação após as finais. E, como não podia deixar de ser, lá estaremos, pelo terceiro ano seguido, com reportagens, entrevistas e muitas, mas muitas fotos.
Espero que, lá de cima, o eterno garoto José Finkel goste de mais essa jornada em sua homenagem.

(informações da CBDA, Best Swimming e Yes Swim - foto deste repórter)

Um comentário:

  1. Grande matéria Flávio!!! Muito prazeroso ler este texto!!! Parabéns!!!

    ResponderExcluir